MEMES

GUILTY READER

Eu sei que ninguém mais aguenta me ver respondendo meme. Eu não aguento mais responder memes, ainda que seja a coisa mais divertida do mundo, e eu entendo que seja chato, quase insuportável me ver responder mais um. Peguei realmente pesado na última semana, não com um ou dois, mas três memes de uma vez. Eram tempos desesperados, que pediam medidas desesperadas, mas prometo maneirar da próxima vez. Não desistam de mim, não ainda. Hoje também foi um dia difícil, cansativo, mais pra lá do que pra cá; mas amanhã vai ser melhor, tenhamos fé. Assim, aproveitarei o cansaço e a falta de assunto para falar sobre culpas que nutro enquanto leitora. O meme é um oferecimento do canal Read Like Wild Fire, e a Michas gentilmente traduziu para nosso bom e velho português.

1. Já presenteou alguém com algum livro que você ganhou de presente?
Mais ou menos. Uma vez, ganhei num amigo secreto o mesmo livro que já tinha comprado algumas semanas antes. Sem poder trocar e sem saber o que fazer com dois livros iguais, decidi dar um pra Juliana. O livro era Fangirl, da Rainbow Rowell, e eu o entreguei no dia do aniversário dela. Mas ela sabia o motivo de estar lhe dando aquele livro e o presente real oficial foi outro: uma plaquinha amarela, de madeira, onde lia-se “friends”. Em outras palavras, o livro foi um presente, mas um presente aleatório, e não como o de uma data especial ou algo assim.   

2. Já disse que leu algum livro quando, na verdade, não leu?
E quem não? Por mais que sempre tenha gostado bastante de ler, nunca me interessei por literatura clássica brasileira, por exemplo, de modo que passei reto por todos eles no ensino médio e só recentemente quis correr atrás do prejuízo. Até hoje não li Dom Casmurro, o que pode parecer um absurdo pra muita gente, mas não necessariamente pra mim, embora eu morra de vergonha de dizê-lo em voz alta. É uma discussão longa e que não pretendo iniciar aqui, mas o modo como os livros são introduzidos nas escolas faz, sim, com que a literatura – especialmente a clássica – se transforme no horror dos nossos tempos, e foi exatamente por isso que passei batido por histórias que hoje, quando leio as sinopses, me parecem absolutamente incríveis. Na época, entretanto, eu preferia mentir para os meus professores e continuar lendo meus livros ao invés de ser honesta e dizer que não, não tinha lido, porque nada daquilo me parecia interessante.  

3. Já pegou algum livro emprestado e não devolveu?
Já. Sei que isso é péssimo, mas em minha defesa, os poucos livros que ficaram comigo e que não me pertenciam são livros que ficaram por viradas da vida e sumiços espontâneos dos donos – que, por sua vez, sumia com livros meus. Talvez por isso, hoje eu tenha absoluto pavor de emprestar meus livros, e pelo mesmo motivo não pego livros emprestados, nem mesmo em bibliotecas; prefiro baixar, no caso do livros que não faço tanta questão de ter, ou simplesmente esperar ter dinheiro para comprar aquelas que, acredito, farão diferença ao serem lidos no material físico. 

4. Já leu alguma série fora de ordem?
Não. Inclusive, pavor absoluto, me perdoe.

5. Já deu spoiler de algum livro para alguém?
Gente, kkk. Eu sou a pessoa que menos se importa com spoilers no mundo (ou, pelo menos, no mundo que é a minha bolha), de modo que eu não só já dei spoiler de livros pras pessoas, como eu o faço o tempo todo, e às vezes imploro pra fazê-lo, só pra ter alguém com quem discutir o assunto. Isso serve, também e principalmente, para séries, porque é triste demais acompanhar algo sozinho, especialmente uma coisa tão boa que você precisa dividir com o mundo. Entretanto, existem alguns casos que até eu sou obrigada a admitir que um spoiler pode estragar toda a experiência, de modo que seguro minha língua e espero a pessoa ter seu momento.     

6. Já dobrou a página de algum livro para marcar?
Já, mas não é um costume. Realmente só acontece quando, por algum motivo, eu perco meu marcador, então preciso encontrar um jeito de marcar e, na falta de um clipe, flag ou qualquer outra coisa que possa fazer o trabalho pra mim, dobrar é a única solução.

7. Já disse para alguém que você não tem um livro quando, na verdade, tem?
Não?

8. Já disse que nunca leu algum livro quando, na verdade, já leu?
De modo algum; inclusive adoraria conhecer pessoas que já fizeram isso. Qual o motivo? Vergonha? Receio? Embora não seja, naturalmente, público alvo de todas as obras do mundo, acredito que sempre existe o livro certo pra pessoa certa, de modo que, no final das contas, o mais importante não é aquilo que você está lendo, mas o fato de você estar, pra começo de conversa, lendo. O resto é um mero detalhe.    

Já pulou um capítulo ou trechos de algum livro?
Já tive vontade, mas nunca fiz. O sentimento de que algo muito importante vai ficar pra trás é maior do que eu, então o máximo que faço é ler rápido alguma parte que não está me agradando assim e, se pescar algo interessante, leio de novo, com mais atenção. Mas pular, não.  

Já falou mal de algum livro que, na verdade, você gostou?
Não. Felizmente, tenho a sorte de conviver com pessoas que embora leiam muito e leiam o tempo inteiro, tem um profundo respeito pelos meus gostos e jamais me julgariam por ler alguma coisa que elas julgam ruim ou que não tenham gostado tanto assim. E eu faço o mesmo em troca. Aquela história de que existe livros certos para pessoas certas também cabe aqui: nem sempre aquilo que eu gosto vai ser o favorito de todas as pessoas do mundo e tudo bem! Não há nada mais insuportável do que gente que tenta limitar os outros levando em consideração somente aquilo que a gente gosta, de modo que se eu me sentir pressionada a falar mal de algo que gostei ou me sentir pequena por alguém que odeia algo que eu amo profundamente, então o problema não sou eu, muito menos a obra, mas a pessoa; então o melhor talvez seja me afastar ao invés de negar meus gostos em troca de nada.

 

Previous Post Next Post

1 Comment

  • Reply Nicas 19 de agosto de 2017 at 8:01 PM

    Ler série fora de ordem é uma coisa que eu não entendo como a pessoa consegue. Me dá calafrios. Eu ouço muitas (muitas) pessoas contarem com naturalidade que não começaram a ler Harry Potter pela Pedra Filosofal porque fizeram confusão ou porque já tinham visto algum dos filmes e isso me dá calafrios!

    Pular capítulos também não consigo porque aí eu me sinto uma fraude, eu não li o livro “inteiro”, não posso marcar no Skoob ou a polícia vai me pegar e serei presa para todo o sempre.

  • Leave a Reply