COM AMOR

I’M STILL INTO YOU

heart

Eu sempre imaginei que quando encontrasse o cara dos meus sonhos, seria como nos contos de fada. Com direito à cavalo branco, fogos de artifícios, frio na barriga, um misto de sentimentos que até então eu não conhecia. Também seria à primeira vista, claro. Que princesa precisa conhecer um cara antes de saber que ele é seu príncipe encantado?

Com a gente não foi bem assim. Nada de amor à primeira vista ou borboletas no estômago. Começamos como amigos. Daqueles que você pode passar horas conversando, enchendo o saco e rindo de coisas idiotas. Com ele nunca tinha tempo ruim. Eu podia estar no pior dos dias que ele conseguia fazer com que eu me escangalhasse de rir com alguma coisa retardada. A gente não desgrudava, e apesar das gracinhas do “por que vocês não se pegam?” dos amigos, naquele momento, tudo não passava de amizade.

Mas em algum momento as coisas mudaram. Entre as risadas do dia-a-dia, a novidade do ensino médio e os abraços de amizade, alguma coisa começou a ficar diferente. De repente ir para a escola não parecia a pior coisa do mundo e o tempo que passávamos juntos se tornava cada vez mais precioso.

Foi no final de 2008 que nos beijamos pela primeira vez. De um jeito meio estranho, meio bêbados, deitados embaixo do meu prédio. Uma história que não tem uma versão só, mas que sempre termina no mesmo lugar. Daí em diante ficamos de novo. De novo. E de novo. E conforme o tempo ia passando, tudo parecia cada vez mais certo. Os sentimentos se tornaram cada vez mais fortes e, de repente, me dei conta de que isso era amor.

Cinco anos se passaram desde então. As pessoas costumam se assustar quando descobrem isso. Talvez eu me assustasse se não soubesse como as coisas são de verdade. Nós mudamos muito nesse tempo e, ainda assim, continuamos os mesmos. Porque não importa se continuamos ouvindo as mesmas músicas ou frequentando os mesmos lugares; se pensamos diferentes ou temos novos planos. O sentimento continua tão forte e tão especial quanto há cinco anos atrás.

Talvez ele não tenha chegado em um cavalo branco. Talvez nossa história não tenha sido exatamente como uma dessas comédias românticas bobas que eu adoro e ele finge que gosta, mas no fundo eu sei que preferiria estar assistindo um filme de ação – ou jogando Dota, tanto faz. Mas a verdade é que ele me faz a moça mais feliz desse mundo. E isso, por si só, já faz tudo valer a pena.

Previous Post Next Post

4 Comments

  • Reply Nathalia Iury 8 de janeiro de 2014 at 11:17 PM

    Que lindo, foi você que escreveu? Se parece muito com um texto da Bruna Vieira do livro Depois dos Quinze. haaha. Beijos.

    http://www.nahboa.com/

    • Reply Ana L. 9 de janeiro de 2014 at 10:59 AM

      HAHAHAHA SIM! Fui eu que escrevi, no meu aniversário de namoro no mês passado ;-) nunca li os livros da Bruna, mas fico feliz de fazer alguma coisa “parecida”, mesmo que não intencional. Ela é maravilhosa! hahaha

  • Reply Juju 9 de janeiro de 2014 at 8:48 PM

    Seus lindos, que venham muitos anos além dos 5 ♥ Amo, amo!

    • Reply Ana L. 11 de janeiro de 2014 at 5:49 PM

      HAHAHA Tomara, Jujuba! ♥♥♥

    Leave a Reply