MEMES

LIKE A JEDI

Hoje é um daqueles dias que eu gostaria de escrever uma porção de coisas, mas não consigo escrever nada – o que é absolutamente normal, acho. Tenho passado muito tempo em casa, e embora isso pareça a definição de alegria pra muita gente – e pra mim também, em algum nível -, é uma verdade universalmente reconhecida que tudo demais sobra, de modo que passar tanto tempo em casa tem justamente o efeito oposto: eu me sinto drenada, como se um dementador estivesse sugando minhas energias, e totalmente incapaz de fazer muito pra mudar de situação. Por sorte, minhas aulas começam já na semana que vem, o que mais ou menos significa que essa sensação deve passar logo. Assim espero.

Enquanto isso, pra matar um pouquinho a vontade de escrever alguma coisa, qualquer coisa, resolvi responder esse meme que meu amorzinho Michas sugeriu que eu respondesse algum tempo atrás, ainda na época do blogmas. Acabou que eu deixei pra um momento mais oportuno de pouca criatividade e muita vontade de escrever – e agora eu agradeço por ter feito isso, risos. O meme, no caso, é uma união bem maravilhosa entre Star Wars e literatura, e basicamente consiste escolher livros de acordo com alguns personagens da saga. Não costumo indicar ninguém pra essas coisas, como vocês já estão carecas de saber, mas sintam-se livres para responder se quiserem.

1. Chewbacca: alguém que sempre vai estar lá para você!
Harry Potter e todos os seus personagens incríveis. Acho que é até meio ridículo dar uma resposta óbvia dessas, mas quando penso em uma história que me acompanhou vários momentos diferentes da minha vida, quando penso em personagens que estiveram ao meu lado em tantas fases diferentes, só consigo pensar em Harry, Rony e Hermione. Muitas lições que aprendi com eles são coisas que eu levei pra vida, e que me ajudaram a enxergar o mundo de uma forma completamente diferente – e, não por acaso, muito mais bonita.

2. C3PO: personagem/autor perdido, desesperado.
Nancy Jo Sales, em Bling Ring. Na verdade, nunca li outro trabalho da autora e nem sei se ela tem algum outro livro publicado. Contudo, Bling Ring é aquele tipo de livro que você lê uma vez e não esquece justamente por ser um pavor, um pavor completo; chato até dizer chega e que tenta ser muito crítico, mas que só se torna incrivelmente vazio. É verdade que a história que ele aborda, por si só, é bastante cabeluda e longe de mim querer defender esses jovens privilegiados que achavam maneiro roubar a casa de celebridades. Mas eu também acho que a Nancy tenta demais provar um ponto – no caso, o quanto essas pessoas são horríveis e o quanto a cultura das celebridades é péssima para os jovens norte-americanos – e isso começa a se tornar repetitivo depois de um tempo. Todo mundo já entendeu as consequências disso, todo mundo sabe que é um problema, mas não é uma abordagem rasa e cheia de pré conceitos que vai resolver a questão.

3. R2D2: livro na língua mais estranha que você já leu.
Nenhum? Desculpa a decepção, risos.

4. Luke Skywalker: um livro que foi importante na sua “formação” (para se tornar um Jedi, claro!).
Estação Onze. Foi um livro que li não faz muito tempo, na realidade, mas que realmente me ensinou um bocado e que eu gostaria que tivesse caído no meu colo antes porque provavelmente teria me poupado de muitas crises de ansiedade desencadeadas por questões com a vida, a morte, o universo e tudo mais. Embora eu ainda tenha todas essas questões, Estação Onze me ensinou aquilo que realmente importa, que nossa vida na verdade é um sopro, e que o que sobra não são as coisas que nós possuímos, mas as pessoas que passaram pelo nosso caminho – as que ficaram e as que não ficaram também. Foi um livro que falou muito de perto comigo e de uma maneira muito carinhosa de assuntos espinhosos como a solidão, a mágoa, o futuro, a morte; e eu gosto dessa delicadeza e valorizo cada parte dele. Não é por acaso que ele se tornou meu livro favorito da vida inteira.

5. Han Solo: bonitinho, mas ordinário…
As Vantagens de Ser Invisível. Até me sinto meio culpada quando falo mal desse livro, mas a história de Charlie realmente não me tocou em momento algum, e por mais fofa e cheia de frases efeitos que ela seja, é incrível como ela nunca é capaz de chegar lá. O filme, por outro lado, me deu uma dimensão muito melhor da situação dos personagens, suas complexidades, seus fantasmas e desafios que enfrentavam todos os dias, algo que o livro falhou miseravelmente em fazer.

6. Princesa Léia: a força é forte nela.
Americanah. Não é exagero dizer que esse foi um dos livros mais incríveis que li, além do mais importante – o que não é exatamente uma surpresa considerando que a autora é uma pessoas mais incríveis que já tive o prazer de esbarrar com o trabalho. De uma forma delicada, mas nem por isso menos forte, Chimamanda nos mostra um lado que, fechados nas nossas bolhinhas de privilégio, muitas vezes perdemos a chance de ver; e é incrível como ler a história de Ifemelu é algo que realmente muda nossa forma de enxergar o mundo. Então, se eu pudesse dizer alguma coisa, seria: leiam Americanah, leiam Americanah, leiam Americanah.

7. Yoda: De sabedoria o livro é.
A Arte de Pedir. Porque Amanda Palmer é uma mulher foda e um livro escrito por ela não podia ser nada além de muito foda. Ainda preciso internalizar muitas das coisas que ela me ensinou, aprender a me permitir ser verdadeiramente vulnerável, e não ser tão dura comigo mesma. Mas acredito que tudo isso é um processo e que, um pé depois do outro e no seu próprio tempo, cada um consegue chegar lá.

8. Darth Vader: seu melhor vilão!
Voldemort, sempre!

9. Millennium Falcon: parece que não… mas vai!
Tigres em Dia Vermelho. Eu ainda tenho algumas questões com ele porque acredito que ele se perde um pouco do meio pro final, você acha que está lendo um livro sobre uma coisa e de repente é outra, e isso nem sempre é bom. Contudo, ainda é um livro incrível sobre pessoas, cotidiano, dramas familiares e coisas desse tipo – e pelas quais eu ando meio obcecada ultimamente, risos.

Previous Post Next Post

2 Comments

  • Reply Michas 2 de março de 2017 at 10:35 PM

    Amiga <3
    Adorei que você respondeu o meme e que amorzinho você me chamando de amorzinho. Você é meu amorzinho também <3
    Pois bem, agora vamos aos livros!

    Harry Potter ALWAYS. Preciso muito reler porque 1) é muito bom e 2) a série, os personagens e a história como um todo me traziam um conforto enorme nos anos de colégio e adolescente desajustada-porém-com-cara-de-normal que eu fui. Tenho um carinho muito grande por esses livros.

    Ai, "Bling Ring". Confesso que jamais terminei justamente pelos motivos que você apontou. Eu já estava querendo chacoalhar a autora e dizer "moça, eu já entendi! Pelo amor de Deus, pare de repetir tudo um milhão de vezes!". Lembro de ter assistido ao filme logo na estreia e de ter gostado. Mas preciso rever para ter certeza.

    Eu tentei ler "Estação Onze" logo que lançou aqui e acho que parei antes da metade. Foi em um momento muito ruim da minha vida e tudo o que eu lia em desagradava, sabe? Aí, separei para doar porque achei que nem ia querer ler mais e tal. Aí, li um post seu falando que tinha amado a leitura e resolvi colocar de volta na estante. Amiga, vou ler com o coração aberto e pronta a aprender tudo o que o livro tem para ensinar só porque você disse que é o melhor livro da sua vida. Já amo por causa disso.

    Adoro "As Vantagens de Ser Invisível". Sério. Lembro de ter ficado super emocionada com o final e de ter amado muito aqueles personagens. O filme é ótimo! Fiquei escutando a trilha sonora por meses, hehe.

    Não gostei tanto assim de "Americanah". Achei que é super importante e que autora toca em questões muito válidas, mas a história propriamente dita não ganhou meu coração. E até hoje fico meio bolada com aquele final. Contudo, acho a Chimamanda ótima e quero ler outros livros dela.

    "A Arte de Pedir" MELHOR LIVRO. AMANDA PALMER MELHOR PESSOA. REPASSEM.

    Amiga do céu, eu detestei "Tigres em dia vermelho", ahahaha. Achei que ia AMAR por causa dos dramas familiares e tal. E estava adorando até chegar no meio, quando senti que a autora perdeu completamente a noção e o livro virou muito enfadonho. Mas acho bem legal saber que você gostou :D

    Adorei ler as suas respostas e adorei saber mais sobre seus gostos literários.

    Beeeijos <3

  • Reply Natália Oliveira 16 de março de 2017 at 12:31 PM

    A lerdeza da pessoa que vos fala não leu o título do item dois e meu coração parou por 0.2 segundos achando que você ia falar bem de The Bling Ring. Olha, eu costumo ser bem pouco seletiva com livros (quero melhorar isso, inclusive), mas esse não deu pra engolir. A autora ficava repetindo a mesma coisa over and over. Acho que, de todas as informações que estavam no livro, dava pra fazer um post de 2 ou 3 mil palavras e já tava bom. Muuuuito chato.
    Não tenho nenhum asco nem nada pelo As Vantagens de Ser Invisível, mas confesso que é um livro mais bonitinho do que qualquer outra coisa. É basicamente um apanhado de frases e atitudes “poéticas”, do tipo que você vai marcar e anotar na agenda depois. Vejo muito isso nos livros do John Green.
    TODO MUNDO que leu A Arte de Pedir fala muito bem desse livro e eu tô muito tentada a ler, mas quero pesquisar um pouco sobre a vida da Amanda Palmer antes de cair de cabeça na leitura.
    E o que dizer sobre Harry Potter? Acho que já disseram tudo o que tinha pra ser dito, de forma que não posso dizer melhor.
    Beijos

  • Leave a Reply