VIDA DE FANGIRL

MIJANDO NO POSTE: O RETORNO

Ou: As vantagens de ser crusher (ou não). 

Desde que me entendo por gente, eu sou uma crusher. Desde que eu me entendo por gente é o jeito exagerado de dizer que desde o final da minha infância e início da adolescência, eu basicamente encontro crushes por onde passo, paixonites agudas, mas absolutamente inofensivas, que me fazem sonhar e perder noites de sono por gente que nem existe de verdade, ou que então é fruto da idealização da fã retardada que sempre fui e sempre serei. Foi pensando nisso e movida pela inspiração da música “All I Want For Christmas Is You”, que dona Michas Borges sugeriu que nessa sexta-feira falássemos sobre nossas crushes, separando-as em categorias maravilhosamente criadas por nós em uma conversa muito séria e adulta sobre o assunto. Bless our little hearts, risos.

1. NA LITERATURA


Mr. Darcy, de Orgulho e Preconceito. Eu disse pra mim mesma que não queria soar repetitiva, mas preciso quebrar minhas próprias regras já de cara. Isso porque recentemente – ou nem tão recentemente assim, pra dizer a verdade – comecei a ler Orgulho e Preconceito e embora a leitura esteja muito mais lenta do que eu gostaria (a vida, ela não perdoa nada), o livro foi responsável por elevar meu amor pelo personagem – um amor que já existia, graças ao filme de Joe Wright – a um novo patamar e agora eu não sei fazer mais nada senão suspirar e invejar dona Maria Elizabeth Pereira Bennet (risos) por ser uma mocinha de tanta sorte.

2. NO CINEMA


Han Solo, de Star Wars (dã). Seu nome grita trouble, trouble, trouble, mas como resistir? Harrison Ford é o melhor representante da categoria Homão da Porra™, o que por si só já ajuda o personagem um bocado. Mas o que seria de um belo rosto (e um maravilhoso sorriso, risos) sem esse jeitinho cafajeste e esse coração enorme, que faz nossa razão gritar de pavor ao mesmo tempo que nosso coração implora por mais cinco minutos ao seu lado e nosso útero dá cambalhotas de tanta emoção. I knew you were trouble when you walked in, berra nossa melhor amiga famosa no fundo das nossas cabeças, mas como resistir? Os sentimentos, queridos leitores, eles são os únicos fatos.

3. NA TV


Dean Winchester, de Supernatural. Tentei fugir dessa escolha óbvia e do qual vocês certamente não me aguentam mais falar a respeito, mas foi impossível. Se já é mesmo uma verdade universalmente conhecida que Dean Winchester é a crush que eu jamais serei capaz de superar, então tudo bem continuar falando sobre ele de novo, e de novo, e de novo. Dean não é o cara típico de se colocar uma aliança no dedo e apresentar para a vó, mas é o único com o qual eu consigo me imaginar casando e apresentando pra minha avó, talvez pelo fato de que, embora sua vida seja uma bagunça, nada disso realmente importa. Não por acaso, em uma das poucas vezes que sonhei com ele, a gente estava se casando em uma igreja abandonada e eu usava moletom e calça jeans. Foi uma cena linda, porque ele sorria pra mim de um jeito muito apaixonado, mas ao mesmo tempo brincalhão, e eu não conseguia conter o meu sorriso de nervoso enquanto andava na sua direção. Foi lindo, foi muito nosso e eu realmente quis chorar quando acordei e descobri que não era verdade. Bless my little heart.

4. NA MÚSICA


Jon Bon Jovi, do Bon Jovi (risos). Sendo bem sincera, escolher uma crush nessa categoria foi quase uma missão impossível. Porque, tirando o fato de que a maior parte das minhas crushes na música eram crushes de adolescência (#spoiler) e que não fazem mais o menor sentido hoje, todos os outros eu, hoje, só gostaria de ser amiga, trocar uma ideia e ouvir umas músicas, e não dar uns beijos e casar em Vegas. Claro que eu sempre podia citar o Adam Levine, um cara com quem eu sem dúvida casaria em Vegas, ou então o Harry Styles, essa pessoa maravilhosa e de sorriso tão encantador. Porém, se for pra ser sincera, bem sincera, eu já não entendo mais tanto assim o apelo do Adam Levine e por mais que eu ame o Harry Styles, eu tenho certeza absoluta que seria muito mais legal ser sua amiga do que sua namorada. Assim, tive que apelar para as crushes do passado, aquelas que têm idade suficiente para seu meu pai, mas que no passado foram jovens bem maravilhosos que me fazem suspirar até hoje. Jon Bon Jovi é um exemplo bem maravilhoso disso e eu não confirmo nem nego que até hoje fico assistindo os vídeos de um show que ele fez no final dos 80 ou início dos anos 90, de bandana na cabeça e jaqueta jeans, sonhando em ser uma daquelas meninas que gritavam na plateia. Definitivamente, uma crush.

5. ADOLESCÊNCIA (OU TEMPOS DE ESCOLA)


Evan Taubenfeld. Deixa eu contar pra vocês que num passado nem tão distante assim, eu já fui bem fã da Avril Lavigne. Fã nível se vestir igual, comprar todos os álbuns, chorar porque ela só fazia show em São Paulo e eu não podia ir em nenhum, de querer passar maionese no cabelo e arrumar briga com gente que falava mal dela ou que se achavam mais fãs do que eu #madura. Nessa época, eu ainda não conhecia o conceito de girl crush, de modo que, ao invés de crushar (?) a Avril, eu crushava (?) os membros da sua banda, mocinhos com carinha de neném e essa vontade irremediável de ser rockstar. Foi assim que eu me apaixonei pelo Evan Taubenfeld, uma crush que se tornou crush antes mesmo de eu saber que diabos era um crush (risos). Se eu passei minha adolescência inteira atrás de caras de cabelo liso e que curtiam um rock limpinho, pode ter certeza que o Evan era 100% culpado. Não seria o tipo de homem que eu procuraria hoje se solteira fosse, mas fica aí o registro pela memória da Ana de uns 10 anos atrás.

6. CELEBRIDADE


Hugh Dancy. A lista, queridos leitores, essa poderia ser enorme. Porque a quantidade de celebridades pelas quais eu tenho uma queda é tipo, insana. De uns meses pra cá, no entanto, voltei a pensar e fantasiar muito com o Hugh Dancy, e depois de resgatar das profundezas abissais da internet a foto dele no gramado, de macacão, escrevendo e tomando uma taça de vinho, eu tive certeza de que ele era 100% meu tipo de homem – o que quer que isso seja. São os olhos maravilhosos, o sorriso que poderia iluminar uma cidade inteira, esse jeitão de homem de humanas e essa carinha de bom moço que me fariam perder o rumo de casa em questão de segundos. Claire Danes, definitivamente uma mulher de muita sorte.

7. GIRL CRUSH


Olivia Wilde. Girl crush é um conceito difícil, né? Há quem diga que se trata daquelas mulheres que a gente gostaria muito de ser amiga e eu acho que é um conceito bastante válido. Mas eu também gosto de pensar que são aquelas mulheres tão lindas e maravilhosas que seriam capazes de me fazer questionar minha própria sexualidade. Assim, não tinha como escolher outra pessoa senão Olivia Wilde – uma crush comum que divido com meu homem, risos. Olivia é essa pessoa linda de morrer, uma mulher que inspira e que faz meu útero declarar sua existência, mas ao mesmo tempo tempo é aquela pessoa de quem eu gostaria de ser amiga, que eu vejo sorrir e queria dar um abraço, que queria conhecer os filhos e poder dividir confidências. Assisti uma entrevista com ela algum tempo atrás em que ela falava sobre o fim de seu casamento anterior e como ela amava comer, porque comida dava essa sensação de que alguém estava te abraçando por dentro. Ali, eu tive certeza que eu e Olivia seríamos excelentes amigas, parceiras de crime, e tudo aí no meio.

8. CRUSH MORTA (!)


Gus Waters, de A Culpa É Das Estrelas. Gente, o Gus. O que dizer do Gus, esse rapaz tão maravilhoso e romântico, que sabe usar metáforas como ninguém. Eu, que nunca tive muitas crushes literárias e que raramente me interesso por gente mais nova que eu, me vi completamente apaixonada por esse rapaz de 17 anos que tem medo de ser esquecido e que nunca tinha viajado de avião. Eu queria pegar o Gus e enfiar numa caixinha, viajar com ele pelo mundo inteiro e proteger de tudo e de todos. Logo, vocês já devem imaginar que o que eu não chorei com a morte desse menino não tá escrito.

9. CRUSH INTELECTUAL


Neil Gaiman. Crush intelectual nada mais é do que aquela crush que você admira, gostaria de bater um papo, trocar uma ideia, mas que não tem a menor intenção de dar uns beijos, enfiar uma aliança no dedo e apresentar pra vó. Neil Gaiman é esse cara pra mim. Embora não tenha lido tantos livros dele quanto gostaria, Neil é uma pessoa que eu admiro muito profundamente, com quem eu queria tomar um café e passar horas trocando ideia sobre fantasia, escrita e outras coisas igualmente maravilhosas. Além disso, ele é o marido da Amanda Palmer, o que por si só já é suficiente pra garantir que ele seja essa pessoa realmente maravilhosa que aparenta ser.

10. CRUSH ESTRANHA


Mads Mikkelsen. Que existe alguma coisa muito estranha com o Mads Mikkelsen, ninguém pode negar. Não sei se é a boca de pato, o formato dos olhos, aquele cabelo que ninguém sabe se é a coisa mais maravilhosa ou sebosa do mundo, etc etc. Mas ao mesmo tempo alguma coisa inexplicável acontece com esse cara, porque você começa a assistir alguma coisa com ele e de repente está pensando se não seria uma boa ideia dar uns amassos nele ou qualquer coisa assim. Minha primeira vez (risos eternos) foi ainda em Hannibal, mas depois comecei a assistir outros filmes com ele e minha reação era sempre a mesma: meu deus que cara estranho, mas por que diabos eu fazia 100% com ele? São grandes questões.

11. CRUSH SOBRENATURAL


Mr. Chandler, de Penny Dreadful. Porque lógico. Embora eu tenha demorado horas pra chegar em seu nome, bastou que lembrasse para que todos os feels voltarem com força total. Como explicar Mr. Chandler para aqueles pouco familiarizados com a trama e o drama de Penny Dreadful? É uma questão que eu jamais serei capaz de responder. Pensem apenas no melhor lobisomem que vocês respeitam, o rosto mais lindo que vocês já viram e uma alma atormentada, porém com um coração enorme. Mr. Chandler é o homem que vai dançar com você numa cabana no meio do nada enquanto o mundo cai lá fora, e isso por si só já é suficiente pra que eu queira parir pequenos meninos lobos por aí, risos.

12. CRUSH GUILTY PLEASURE


Logan Huntzberger, de Gilmore Girls. Se Gilmore Girls foi uma das melhores coisas que aconteceu no meu ano (e aqui preciso agradecer inteiramente a Yuu, essa pessoa maravilhosa, amor da minha vida, que me fez assistir a série logo de uma vez), Logan Huntzberger foi a melhor crush que podia me acontecer. O fato de ser uma pessoa questionável em muitos momentos, boyzinho privilegiado e um claro problematic fave infelizmente não me incomodam tanto quando eu vejo ele sendo tão lindo por aí, com aquela bela face e o sorriso que automaticamente me faz querer gritar YES, I DO!. Limites, claramente não trabalhamos.

13. MENÇÃO HONROSA


Sebastian Stan. Não tem nem pra onde fugir. Acho que uma das melhores coisas sobre ter voltado a assistir Gossip Girl é que finalmente eu posso ter um pouco mais de Sebastian Stan na minha vida e reacender a chama que ele acendeu quando eu tinha meus 17 anos. Odeio o fato que ele ainda não tenha feito tanta coisa de sucesso, considerando o ator incrível que ele é, e sonho com o dia que ele não vai ser só conhecido como o Soldado Invernal (que ele faz belamente, aliás), mas como um bocado de personagens icônicos. Além de talentoso e lindo de morrer, Sebastian também parece ser um cara muito divertido, gente como a gente, e que sempre trata todos muito bem. Eu jamais vou conseguir lidar com as fotos dele nos meet & greets da vida levantando fã no colo, fazendo cara de surpresa e rindo todo bobo no meio daquela folia. Sebastian é uma pessoa adorável, linda de morrer e extremamente talentosa, e é por isso que ele conquistou 100%  meu coraçãozinho pisciano sofredor, que faz com que meu estômago dê cambalhotas e com quem eu sonho em dançar sob a luz da geladeira, risos.

Previous Post Next Post

No Comments

Leave a Reply