MEMES

UM MEME DE NATAL

Logo que decidimos embarcar juntas nessa cilada, eu, a Manu, a Michas, a Mia e a Tati achamos que seria bacana fazer algumas postagens coletivas – nosso jeitinho de ajudar as migas nessa loucura natalina, risos. A ideia é que toda sexta-feira, começando a partir de hoje, a gente fale sobre um mesmo assunto ou responda os mesmos memes, compartilhando nossas diferentes – ou muito iguais! – visões e experiências sobre uma mesma temática, sempre envolvendo o Natal e o fim do ano, de um modo geral. Para começar, decidimos responder o meme “Meu Natal” que nada mais é do que um jeitinho legal de compartilhar nossos costumes e lembranças sobre uma das épocas mais lindas do ano.

1. O que você costuma fazer na véspera de Natal e no dia 25?
Embora quase toda a minha família viaje para passar o Natal na casa da minha avó no interior, não é algo que eu, minha mãe e meu padrasto temos o costume de fazer, especialmente porque depois da morte do meu avô, muito do sentido de estar lá se perdeu pra nós e como minha avó passa a maior parte do ano morando com a gente, não é como se só pudéssemos vê-la em uma época determinada do ano. Assim, normalmente passamos só os três – e nossos bichinhos -, em casa mesmo. A gente se arruma só porque sim, ouvimos música, bebemos vinho e comemos toda a comida do mundo enquanto aguardamos a hora de abrir os presentes. Às vezes, alguns primos que também não foram para a casa da minha avó vem celebrar a data com a gente, ou então alguns parentes do meu padrasto, já que a família dele – o pai e a mãe, no caso – não tem o costume de celebrar a data. Em alguns anos, eu também costumo dar uma passada na avó do Gui pra cumprimentar todo mundo e comer alguma coisa. Já o dia 25 costuma ser um dia de preguiça. Desde que comecei a namorar, é comum que eu almoce com a família do Gui nesse dia, especialmente quando não os visitei na véspera. Em casa, normalmente comemos a sobra do dia anterior e passamos o dia assistindo qualquer coisa na tv.

2. Qual é o seu filme natalino favorito?
The Holiday, ou O Amor Não Tira Férias, em português, que é também um dos meus filmes favoritos da vida inteira e um dos que mais assisti até hoje. Nele, conhecemos Iris e Amanda, duas mulheres que buscam mudanças em suas vidas e, pra isso, decidem trocar de casa e passar uma temporada longe do mundo que conhecem. Assim, Iris vai morar na casa de Amanda, em Los Angeles, enquanto Amanda vai passar uns tempos na pequena casa de Iris, na Inglaterra. É uma comédia romântica deliciosa, que se distancia um bocado dos clichês do gênero – mas que, ao mesmo tempo, brinca com vários deles – e que sempre deixa o meu coração mais quentinho. Não é um filme tradicional de Natal, mas que se passa nessa época do ano e que sempre me traz sensações muito boas e que eu sinto com mais força sempre nessa época do ano.

3. E a sua música natalina preferida?
Não tenho. Gosto de várias, na realidade, mas não tenho uma favorita, até porque, sendo bem sincera, eu já não tenho mais tanto costume de ficar ouvindo essas músicas. Quando era pequena, tinha uma fita de um filme da Disney só com músicas de Natal, tudo em inglês, e eu adorava acompanhar e cantar junto enquanto assistias às animações – que eram também as coisas mais fofas do mundo. Hoje, no entanto, canto um ou outra com JG (que também ama Natal, vejam só que coisa), mas fora isso não costumo dar muita atenção, não.

4. Você tem uma comida de Natal favorita?
É sempre difícil escolher uma comida favorita, porque todas as comidas de Natal são minhas favoritas, risos. Adoro as carnes, as saladas, as guarnições e as sobremesas, assim como amo profundamente todas as bobagens que ficamos beliscando antes enquanto o jantar não fica pronto. Se fosse pra escolher, no entanto, acho que ficaria com o pudim de chocolate com nozes da minha mãe, que é uma das sobremesas mais maravilhosas que eu já comi na vida e que, infelizmente, ela só faz no Natal.

5. O que você mais gostaria de ganhar nesse Natal?
Fiz uma listinha que vocês podem conferir aqui e, tirando a camisa jeans (que comprei alguns dias atrás), continuo desejando todas essas coisas. Entretanto, se eu pudesse pedir qualquer coisa, também pediria um bocado de paz e amor, muita saúde, uma dose extra de dedicação e força para fazer meus sonhos se tornarem realidade. Se nada cai realmente do céu, então que eu pelo menos continue tendo muita vontade e um coração batendo com força para ser capaz de chegar lá.

6. Você gosta mais de dar ou receber presentes?
Dar – e não é nem pra fazer tipo. A verdade é que, por mais que eu ame receber presentes, gosto muito de poder escolher como presentear as pessoas que foram, de algum modo, importantes no meu ano, na minha vida, e que fazem tudo valer à pena. Por mais que eu raramente saiba o que dar, é algo que eu gosto de poder fazer porque o gesto, em si, já é algo bonito demais. Fora isso, a maioria das pessoas erram quando vão me dar alguma coisa, então por mais que seja bacana receber alguma coisa, eu ainda prefiro dar e me poupar da trabalheira de ter que trocar tudo depois, risos.

7. Você já passou o Natal na neve?
Nunca, infelizmente.

8. Onde você gostaria de passar o Natal?
Na neve! Sou muito vendida e crescendo com essa ideia de que Natal era época de neve, queria poder realizar o sonho da menina Ana de poder brincar de fazer bonecos e anjos na neve e, finalmente, passar a data sentindo frio e não um calor senegalês. Fora a neve, também adoraria que minha avó passasse um Natal em casa com a gente e que toda a família viesse pra cá ao invés de viajar pro interior. Eu realmente sinto um bocado de falta de quando celebrávamos a data todos juntos em Brasília e é algo que eu gostaria muito, muito que acontecesse.

9. Sua família costuma decorar a casa? Quem fica encarregado das decorações?
Sempre decoramos! Alguns anos mais, outros menos, mas a casa sempre fica decorada. Esse ano, por exemplo, além da árvore que já é tradição, penduramos algumas luzes fora da casa em formato de estrelas. Em outros anos já colocamos luzinhas que não piscavam em volta das pilastras, ou então um Papai Noel pendurado na janela e por aí vai. A responsável por tudo é sempre a minha mãe que, embora receba alguma ajuda minha, é sempre quem mais trabalha nessa época – e em todas as outras, risos.

10. É época de Natal. O que você está lendo?
Orgulho e Preconceito, da Jane Austen. Sonhei um sonho maravilhoso de terminar esse livro antes de dezembro mas, com toda a correria de final de ano, o Valkirias e a faculdade, realmente não tive como. De todo modo, a leitura está uma delícia e sempre que eu consigo pegar o livro – coisa que, infelizmente, não acontece com muita frequência -, nunca consigo ler um só capítulo.

11. Qual é o seu cheiro preferido no Natal?
Coisas assando, de modo geral. Tanto é que, sempre que alguém assa alguma coisa aqui em casa, eu saio falando que a casa está com cheiro de Natal, justamente porque esse é um cheiro que automaticamente me transporta para essa época do ano. Amo sentir o calor que vem do forno na cozinha e amo observar como os alimentos vão se tornando dourados e ficando cada vez mais suculentos enquanto a casa se infesta com o melhor cheiro de todos.

12. Você foi um bom menino/uma boa menina esse ano?
2016 foi um ano difícil em muitos aspectos, mas foi um ano muito bom pra mim, pessoalmente, e eu acho que muito disso aconteceu não porque eu necessariamente fiz as escolhas certas, mas porque aprendi com meus próprios erros. Então eu não sei se fui uma boa ou menina ou não – até porque, eu não acredito nesse discurso -, mas acredito que eu tenha feito o meu melhor com aquilo que eu tinha, e isso pra mim já é o suficiente.

13. O que sempre tem pra comer no Natal?
Peru, arroz com passas (que eu não gosto muito, mas fazer o quê) e pudim de chocolate com nozes.

14. Como você costuma se vestir na ocasião?
Depende muito do meu momento. Já passei anos mais arrumadas, outros nem tanto; já passei anos de calça jeans e outras de salto; já passei anos de vestido e outros de camiseta. Ultimamente, tenho preferido usar vestidos porque é uma peça fácil de usar e combinar, mas que ao mesmo tempo me deixa mais arrumadinha e eu realmente gosto de me arrumar nessa data, mesmo que seja pra ficar em casa. Além disso, não importa se eu prefira usar uma sapatilha ou um salto alto, sempre dá tudo certo no final.

15. Você começa suas compras de Natal na Black Friday ou deixa tudo pra última hora?
Última hora. E se não fosse assim, não seria eu, risos.

16. Você sabe embrulhar presentes? Você faz com gosto ou não?
Sei! Inclusive sou a embrulhadora (?) oficial da casa, risos. Gosto um bocado da função, mas estaria mentindo se não dissesse que às vezes eu morro de preguiça.

17. Você sabe o nome de todas as renas do Papai Noel?
A única que eu conheço é o Rudolph, que é a rena do nariz vermelho.

18. Você tenta espiar seus presentes antes ou prefere a surpresa?
Quando eu era criança costumava espiar, balançar, sentir o peso e tudo, mas hoje acho que prefiro a surpresa. Por mais que eu peça as coisas na cara de pau pra minha mãe e pro Guilherme, gosto muito mais de ser surpreendida e meus melhores presentes costumam ser aqueles que eles percebem que eu quero, mas que às vezes nem eu sabia que queria tanto.

19. Você abre seus presentes na véspera ou na manhã de Natal?
Na véspera, mas sempre depois da meia-noite. Mesmo assim, ainda acho a ideia de abrir na manhã de Natal, de pijamas, muito mais divertida, e se um dia eu tiver filhos, quero que eles abram pela manhã, numa folia bem maravilhosa.

20. Quando você descobriu a verdade sobre o Papai Noel?
Não lembro, mas foi por volta dos nove anos, acho, talvez um pouco depois. Minha mãe não me contou diretamente: em determinado ano, ela simplesmente não quis me levar para ver o Papai Noel do shopping e pronto. Eu chorei um bocado depois de ouvir que era grandinha demais para aquilo, mas logo esqueci. No fundo, eu continuo acreditando na figura do Papai Noel e amo quando, mesmo já adulta, alguns tios meus me dão presentes e, quando eu os agradeço, eles dizem que não foram eles, mas sim o Papai Noel.

21. Qual o melhor presente de Natal que você já ganhou?
Foram tantos! Mas acho que o mais especial foi um sonzinho que minha mãe me deu quando eu ainda era pequena. Ele era lindo, redondinho, pequenininho, e eu carregava pra todo lugar contando que tinha ganhado de presente. Música sempre foi um troço muito importante pra mim, então era maravilhoso, finalmente, poder ouvir minhas bandas favoritas sozinha no meu quarto.

22. Você faz resoluções de ano novo? Você as cumpre?
No ano passado, a única coisa que eu prometi pra mim mesma foi que não faria resoluções de ano novo e foi uma tática maravilhosa. Por mais que eu ache importante que a gente faça um ou outra resolução, fazer o contrário me ajudou a não me cobrar tanto, a deixar a vida me levar e a abraçar aquilo que viesse, sem me importar tanto se a vida não saísse como o planejado. Eu gosto de ser surpreendida, mesmo que também seja um tanto controladora, e essa é uma tática que pretendo repetir novamente este ano.

23. Conte uma história de Natal memorável.
Quando as pessoas falam sobre uma história memorável, eu sempre imagino coisas grandes. Entretanto, a maior parte das minhas lembranças de Natal são coisas muito bobas, pequenas mesmo, que eu não esqueci. Como a vez que minha mãe e o meu padrasto ainda não moravam juntos e nós passamos a data na casa dele. Os dois foram dormir e eu fiquei acordada, conversando com minha melhor amiga na época (alô, Tainara!) e comendo as sobras de pernil (ou lombo? não lembro). Teve também uma vez, com 12 anos, que eu fui passar o Natal no interior, sem a minha mãe. Ela me deu de presente antes o DVD da Avril Lavigne, que eu levei pra assistir na casa da minha avó, mas quando pedi para ele ser colocado na noite de Natal, ninguém quis. Eu fiquei muito chateada e saí de fininho da sala pra chorar na frente da casa, enquanto eu olhava as estrelas e sentia saudades da minha mãe. De repente meu tio apareceu, me abraçou e disse pra eu ouvir, que estava tudo bem. Ou então aquele ano em que eu fui passar o Natal em Correntina, o último Natal do meu avô, e antes de viajar, Guilherme me presenteou com um porta-retrato que eu tenho até hoje, sem eu sequer esperar. A gente tinha acabado de começar a namorar, mas eu ainda consigo sentir todos os feels daquele dia, de quando ele me estendeu o embrulho e a gente riu e chorou e se abraçou. São lembranças muito pequenas, bobas até, mas que sempre me fazem sorrir e chorar um pouquinho, ao mesmo tempo que deixam meu coração mais quentinho, quase como um abraço por dentro.

24. O que torna essa época do ano especial para você?
Acho que esse sentimento de cumplicidade, o carinho com as pessoas que você ama, a vontade de ser uma pessoa melhor. O Natal é sempre aquela época em que a gente deixa de lado tudo de ruim que aconteceu ao longo do ano para abraçar uma versão melhor de nós mesmos e acho que essa trégua é essencial. A vida já é tão difícil na maior parte do tempo, sabe? É bom que a gente possa respirar um pouquinho e esquecer das merdas que acontecem no resto do tempo.

25. Sua coisa preferida no Natal?
A celebração em si. As pessoas, a comida, o vinho, as risadas, a música, os presentes, o forno que aquece a casa inteira, os abraços à meia-noite, todos os sentimentos maravilhosos que tomam conta de mim na data. É realmente um dia especial e eu queria que mais pessoas pudessem experimentar tantos sentimentos maravilhosos de uma vez só.

Previous Post Next Post

1 Comment

  • Reply Tati 10 de dezembro de 2016 at 1:39 PM

    Como comentei com a Manu, quando surgiu no Cilada a ideia de esse ser o primeiro post coletivo eu vi o quão empolgada vocês estavam e só fiquei quietinha, mas eu realmente não comemoro o natal hehehehe e quando fui lendo as perguntas percebi que eu realmente não teria o que responder, mas vocês estavam tão felizes com a ideia que eu não quis ser o próprio Grinch e fiquei quietinha enquanto programa outro post pra mim, desculpinha, foi pelo bem de vocês :( he <3
    Talvez eu esteja procurando a receita desse pudim de chocolate com nozes, talvez sim, talvez não, será? hahaha
    Abracinhos <3

    Novembro Inconstante

  • Leave a Reply