BEDA, MEMES

WHO’S TAYLOR SWIFT ANYWAY

Ou: 5 coisas que não dou a mínima. 

Querido leitor, não se assuste, você não entrou no blog errado. É claro que não estou fazendo pouco caso da existência da deusa soberana que rege este blog. Longe de mim, aliás, fazer a blasé diante de alguém que me ensinou coisas tão importantes e que está sempre pronta pra me dizer que everything will be alright, que sabe muito bem a loucura que é ter 20 e poucos anos e entende como ninguém essa coisa de life was never worse but never better, de modo que o título, no final das contas, é mais uma questão de lembrei  dessa frase, acho que vai funcionar do que qualquer outra coisa. E eu sou péssima com títulos de qualquer forma. 

taylor

melhor pessoa

Enfim, seguindo nosso calendário de postagens temáticas, eu e minhas amigas tiramos o dia para responder uma tag (meme?) criada pelas meninas do GWS onde temos que elencar cinco coisas que não damos a mínima. Por favor, não se esqueçam de conferir as respostas delas também: Analu, Chica, Palo, Couth e Iralinha.          

1. MILKSHAKE 

Meus amigos (e meu namorado também) são desses que param o dia – e, porque não, a vida – pra tomar um milkshake. Sinceramente, acho legal quando a gente para um domingo mais ou menos aleatório pra fazer farra no Chiquinho e nunca recuso um convite pra tomar aquele Ovomaltine geladinho, mas não é algo que eu, sozinha, vou do nada sentir vontade de fazer. Não consigo entender o apelo de uma bebida que é feita com sorvete, mas que não é tão gostosa quanto o sorvete em si, e que ainda por cima é tão doce que chega a ser enjoativa.

Sempre que saio pra comer hambúrguer e peço suco no lugar de milkshake, as pessoas me olham com uma cara estranha como se eu fosse uma aberração ou, no mínimo, estivesse fazendo aquilo errado, quando estranho pra mim é quem aguenta tomar um troço tão enjoativo e pesado ao mesmo tempo que come um hambúrguer enorme. Nada contra, os copos são lindos e tal, só não é mesmo minha vibe.                    

2. COISAS SUPER “CULT”

Desde que entrei na faculdade, eu peguei verdadeiro abuso de coisas que são consideradas ~cult~. Quer dizer, eu continuo amando um filme velho, minhas bandas favoritas são do tempo da minha mãe (às vezes até da minha avó), e sempre gostei de umas coisas meio alternativas. Acima de tudo, gosto do que essas coisas podem me ensinar enquanto eu estou ali me divertindo. Mas isso não quer dizer que eu não goste de outras coisas também. Acho um saco que sempre tem alguém disposto a revirar os olhos quando digo que Taylor Swift é minha cantora favorita ou porque considero Clueless um filme importante, como se isso me diminuísse de alguma forma. Sendo bem sincera, acho importante sim que a gente tire um tempo pra assistir umas coisas diferentes, mas só quando isso também é divertido. Naquele post insuportável sobre cinema (ainda tô remoendo aquele troço, me deixem), a Anna Vitória disse uma coisa muito importante sobre de repente a gente saber demais sobre alguma coisa e se divertir de menos, e imediatamente eu pensei: é isso. Então tudo bem se você acha tudo noooossa o horror o horror, mas fica de boa aí que eu posso gostar do que eu quiser, continuar dançando One Direction, tendo No Pique de Nova York como um dos meus filmes preferidos da vida e querendo ser amiga da Taylor Swift, e não é isso que vai me tornar melhor ou pior como pessoa. Ainda bem.                 

3. SPOILER

Imaginem uma pessoa muito curiosa. Tipo muito curiosa mesmo. O tipo de pessoa que foi atrás do nome dos finalistas dessa edição do MasterChef. Essa pessoa sou eu. Sei que parece meio louco e sem sentido, mas pra mim não faz a menor diferença. Como disse naquele post sobre hábitos literários, tenho curtido bastante assistir primeiro o filme e só depois ler o livro porque isso, de alguma forma, me faz aproveitar as duas coisas de um jeito bem mais gostoso do que o contrário, mas eu também peço spoiler pras pessoas por livre e espontânea vontade, só porque sim, porque quero saber, e no final das contas isso não muda minha experiência com a coisa em questão.  

Lembro de uma vez de uma conversa que eu e meus amigos tivemos sobre Game Of Thrones (que na época ainda estava na segunda temporada) e eu pedia incansavelmente pro meu amigo que já tinha lido os livros pra me contar o que acontecia em seguida. Ele, claro, achou um absurdo e se recusou a me contar porque né, como assim, ia acabar com toda a graça do negócio, mas depois acabou contando porque eu consigo ser bastante persuasiva quando quero. Agora, pensando bem, saber dessas coisas não fez muita diferença já que a série e o livro de repente seguiram rumos bem diferentes, mas não teria feito de qualquer forma porque, mais uma vez, eu não me importo. Inclusive, cago tantos baldes pra spoilers que recentemente comecei a assistir Grey’s Anatomy, mesmo sabendo uma porção de coisas sobre a série, e tem sido uma experiência maravilhosa. 

Aliás, sempre tenho que me controlar pra não dar spoiler das coisas pros outros, porque juro que todo mundo ama de paixão saber o que vai acontecer antes de ver aquilo acontecer de fato, quando a regra geral diz que isso é errado. Então desculpa se, eventualmente, eu der com a língua nos dentes. Juro que não faço por mal.          

4. TRÂNSITO

Li em algum lugar que não era possível separar o trânsito das pessoas porque, no fim das contas, eram elas que faziam o trânsito. Fiquei pensando nisso o dia inteiro e acho que concordo em partes, mas o trânsito que falo aqui é mais no sentido de engarrafamento e, sinceramente, não sei até que ponto as pessoas têm controle sobre isso. 

Eu amo dirigir. Mesmo. Já passei por alguns perrengues, já bati uma quantidade considerável de vezes, já fiz umas besteiras e recebi umas buzinadas, mas de um modo geral, eu adoro dirigir. Sei lá, tem algo muito libertador em ir pra onde você quiser sem depender de ninguém, dirigindo seu próprio carro, ouvindo sua própria música e tal. Engarrafamentos, no entanto, não são legais. O trânsito, de modo geral, não é, mas engarrafamentos não são mesmo, de jeito nenhum. Só que ao contrário de gente que fica reclamando, mudando de faixa o tempo inteiro, xingando os outros e caçando motivo pra se estressar, eu prefiro ficar de boa no meu canto, ouvindo uma música e esperando tranquila. Porque me estressar não vai mudar nada. Eu não vou andar mais rápido, não vou poder passar por cima de ninguém, não vou chegar em casa logo. Então paciência, vamos esperar. É péssimo não chegar logo no nosso destino, todo mundo tem uma cama quentinha esperando em casa e é isso que a gente mais quer depois de um dia de trabalho, mas esquentar a cabeça não ajuda, então paciência. Vou me divertir com o que tem (no geral, música) e é isso aí.   

5. REGRAS DE MODA

Em algum momento da minha vida eu me importei muito com regras de moda, o que pode o que não pode, o que é certo o que é errado, e esse tipo de coisa insuportável que tentam nos enfiar goela abaixo – até que eu cansei. E de repente eu comecei a preferir usar o que eu gostava, o que eu achava que me favorecia, e o que não me favorecia também se fosse uma peça maneira e que eu curtisse. Eu ouvi as pessoas dizerem que eu não podia usar calça skinny porque tinha o quadril largo e fiz questão de continuar usando mesmo assim porque essa é minha modelagem de calça favorita, então foda-se, o quadril é meu, o dinheiro é meu, a calça, portanto, será minha também. Como disse muito bem a Palo, gosto da moda enquanto estilo pessoal, que tem esse poder de traduzir um pouco da personalidade de alguém. Me dá arrepios só de pensar em viver num mundo onde todo mundo se veste igual e segue as mesmas regras furadas de moda, credo.    

BÔNUS: IAN SOMERHALDER 

ian

problema é seu

Minhas amigas já perderam um tempo considerável tentando me convencer de que sim, Ian era um rapaz bonito; discutindo comigo todas as boas ações do moço e como a série dele é maravilhosa. Sobre essa última não posso dizer nada e olha, eu realmente admiro que ele seja tão fofo e engajado, mas não tentem me convencer que esse cara é bonito. Ou melhor, ele até pode ser bonito, mas não é o tipo de beleza que me faça perder noites de sono. Ian Somerhalder é o tipo de cara que me intriga, mas não de um jeito bom, que tem olhos tão claros que me assustam, e que eu esnobaria sem dó na balada da vida. Pois é, eu sei. Desculpa, mundo. 

Previous Post Next Post

11 Comments

  • Reply Ana 26 de agosto de 2015 at 11:54 AM

    Sério que as pessoas tomam milkshake comendo burgui? Eu sempre achei que elas comiam o burgui com refri ou suco e talvez, só depois, tomassem milkshake. E sabe que eu não piro muito, até porque não sou acostumada? Eu tomei um pouco de ovamaltine de morango e achei maravilhoso, mas sei lá, eu vivo sem bem de boa.
    Ai, nossa, sim! Um negócio que eu não aceito nessa vibe de ser muito cult é a necessidade que as pessoas sentem em diminuir coisas que elas não gostam ou colocarem em pedestal coisas que elas gostam. Assim, eu gosto de ler e gosto de ver filme, mas a minha vibe e o ~carro chefe~ da minha vidoca é assistir seriados. De todos os tipos. Então pego muito bode de quem se acha melhor porque leu 50 livros no ano, e isso é mais cult e cheio de cultura do que eu assistir 750 episódios por ano.
    Spoilers tenho pavor. Sério. Não sei lidar. Hahahahha. No final da oitava (?) temporada de Grey’s eu fiquei dois dias sem mexer em redes sociais e só voltei depois que vi a season finale. Sou dessas.
    Eu não sei dirigir e se tivesse nem ia ter carro pra isso, mas eu fico o capeta com tudo trancado. Acho que por um lado é até bom que eu não saiba dirigir, senão vou querer fritar fígados pelo centro da cidade.
    Moda: caguei. Uso as mesmas coisas mil vezes, do jeito que eu quero, com as coisas que eu quero. Também tenho quadril largo e tô bem aí, vai ter skinny sim, e se reclamar vai ter de novo.

    Eu já pirei mais no Ian, hoje em dia eu esnobaria na balada também. Agora me mostra um, sei lá, estranho feito o Alex Turner que eu já quero lamber a cara.

    Beijão! <3

    • Reply Ana 26 de agosto de 2015 at 11:54 AM

      O ova é ovo, releve.

  • Reply Analu 26 de agosto de 2015 at 1:01 PM

    Amiga, eu curto milshake, mas não para tomar enquanto como um hamburguer, socorro! Gosto dele como sobremesa, ou até assim, quando tô de bobeira no shopping de tarde, sabe? MORRO DE PREGUIÇA de quem é metido a cult e já comprei briga na faculdade uma vez por causa disso. Eu era bem quieta na faculdade, vivia morrendo de sono parecendo uma ameba, sabe. IMAGINA VOCÊ ENTÃO como eu era na aula de CINEMA: ZZZZ.
    Só que aí um dia uma menina começou a falar mal de Harry Potter, falar que Harry Potter era coisa de criança e que ela só assistia FILME ASIÁTICO. E eu LEVANTEI da carteira e falei: VOCÊ NÃO FALE MAL DE HARRY POTTER. E a professora me olhou encantada tipo MEU DEUS ELA FALA e perguntou pra menina qual era o filme asiático preferido dela e ELA NÃO SABIA RESPONDER HAHAHAHAHAHAHA, ela disse: AH PROFESSORA TODOS RSSSSS. Anyway.
    Talvez seja porque eu não dirijo, mas eu não me incomodo com engarrafamento na cidade? Na estrada eu fico MUITO irritada porque acho que a estrada serve pra gente andar rápido e curtir a vibe e a viagem render, sabe? Mas na cidade, cara, como disse a vanessa no blog dela (provavelmente foi lá que você leu) a gente não está no engarrafamento, a gente É o engarrafamento, então não adianta ficar estressada se você mesmo tá ajudando a causar, sabe? Enfim.
    Cago pras regras da moda e AMIGA ME ABRAÇA. Acho muito engraçado ver o frissom das pessoas com esse homem porque OK, não é um cara que eu dispensaria na balada de jeito nenhum (talvez só pq ele tem cara de mascu que chegaria puxando pelo braço, sabe?) mas NUNCA ACHEI ELE TUDO ISSO!!!! Inclusive demorei muito tempo pra decorar o nome da figura.

    Te amo!

  • Reply Palo 26 de agosto de 2015 at 5:32 PM

    Amiga, não lembrava que não tinha te mimado ontem, me desculpa?

    Adoro tomar milkshake de morango com batata frita, tirando isso, não ligo muito. Em geral, não gosto de beber isso enquanto como porque considero milkshake quase comida?

    Também morro de preguiça de coisas cult. Às vezes demoro mil anos pra ver/ler/ouvir algo só porque tem cara de cult.

    Não posso dizer que não dou a mínima para o trânsito. Trânsito me irrita, sinto que estão sugando a minha vida.

    Spoiler e regras da moda, que bom que cê me entende <3

    E também não acho o Ian tudo isso. É gato até, mas não faz o meu estilo.

    Te amo!

  • Reply Anne 27 de agosto de 2015 at 1:13 AM

    Ian quem?
    Coisa que me dá nos nervos: regras de moda. Acredita que hoje mesmo eu tava pensando sobre essa coisa da calça skinny? E que por algum tempo eu me recusei a vestir uma porque meu quadril era largo? Quanto tempo e energia a gente perde por causa desse tipo de coisa, pra daqui a três meses alguém ~influente~ no mundo da moda decidir que calça skinny nasceu pra todos os tipos de corpos e liberar geral, e daí mais três meses voltar atrás e dizer que é só pras altas e magras. Zzzz. Não tenho paciência MESMO.
    Beijo

  • Reply Plan 27 de agosto de 2015 at 2:54 AM

    Amiga, aff todo o dia que eu venho aqui é uma identificação diferente. Te amo tanto!

    Eu não dou a mínima para milkshake, e agora menos ainda porque não posso tomar, então né. Eu tinha uma colega de trabalho que saía mais cedo para não pegar fila no MC e poder pegar um milkshake. Ou era no Bob’s? Não lembro, mas pensa na loucura né?

    Eu queria muito não ligar para o trânsito porque talvez assim eu gostasse mais de dirigir, mas né, eu fico tensa com absolutamente tudo: com os pedestres que não esperam o sinal fechar, com as motos que passando tirando um fininho do carro, etc etc. :(

    E Ian………não vejo a menos graça. VIU? Muitas identificações!
    Te amo! <3

  • Reply Ana Flávia 27 de agosto de 2015 at 5:43 PM

    Ai gente, milkshake com hamburgui não, socorro.
    Na verdade, depois de uma experiência horrorosa, há cinco anos e meio que não tomo e eu adorava.
    Transito eu ligo porque quero chegar em casa logo, mas ao menos tempo gosto porque aí fico lendo dentro do ônibus, por que não dirijo nada. :p
    Pra spoilers eu ligo, nem leio resenha ou sinopse antes pra não interferir. :/
    Queria me libertar e ser assim também.
    E amo/sou amar coisas que não são consideradas cult – e não ligar pra moda. heheheheh

    Beijos. ♥

  • Reply Anna 28 de agosto de 2015 at 3:01 AM

    Só eu que acho que milkshake com hamburguer pode ser uma boa ideia? Nunca tomei porque acho impossível digerir as duas coisas ao mesmo tempo, acho que meu organismo entraria em colapso, mas fui por demais catequizada pela cultura americana (principalmente Gilmore Girls) e sempre que vou numa hamburgueria e vejo aqueles milkshakes lindos de vinte reais (por que tão caros, Jesus?), eu fico pensando que queria muito, mas não consigo, etc, etc. Acho que milkshake tem muita cara de sábado ou domingo à tarde no shopping, e até curto, mas não paro a vida por conta disso não.

    Eu já fui muito ~cult~ nessa vida. (Acho que) nunca arrotei pedância, mas sempre gostei dessas coisas alternativas, tipo filme, música, essas coisas. Eu era uma adolescente insuportável que via filme do Truffaut e tentava desesperadamente gostar de Godard (nunca consegui), mas, como disse, de repente comecei a saber demais e me divertir de menos, e aí larguei? Ainda gosto de cinema, ainda gosto de música e todo o resto, acho que o que muda é a abordagem que a gente tem com relação a essas coisas. Gosto muito da forma como isso é tratado em Alta Fidelidade, não sei se você já leu. O cara é fissurado por música e não levava a sério quem não entendia disso, até que um dia ele conhece um casal muito incrível e chegando na casa deles descobre que a coleção de discos deles era super esquizofrênica e eles não manjavam nada de música. É bem legal. ENFIMMMMM

    Spoiler: não ligo como a maioria das pessoas liga, mas não vou atrás e na dúvida prefiro que não me contem. Mas o mundo não acaba se me contarem, sabe assim?

    Trânsito: dirigir me deixa muito nervosa, MUITO NERVOSA, mas quando estou no carro com outra pessoa dirigindo, o trânsito não me incomoda tanto. Sou super adepta da ideia de que se estressar não vai mudar nada, então sou a co-pilota chata que diz CALMA, VAMOS AUMENTAR O SOM, e tals.

    Modas: gosto, mas não rege minha vida.

    Ian whatever: não diria que não, mas tem vários outros na frente pro meu sim (?)

    beijos!

  • Reply Alessandra 29 de agosto de 2015 at 12:06 PM

    MIGA COMO ASSIM VOCÊ ESNOBARIA IAN SOMERHALDER? COOOOOOOMO? hahaha parei, gosto é gosto né?

    Achei a proposta desse post bem legal e AMEI o titulo, juro que fiquei confusa por 1 minuto e falei “ué, mas a Ana não gosta da Taylor?” Enfim, VEMK MIM DÁ UM ABRAÇO PORQUE TAMBÉM NÃO LIGO PRA SPOILER! Também sou curiosa e dependendo do que for eu também consigo persuadir a pessoa a me contar. Não sou nada cult, AMO CLUELESS, mas não gosto de dirigir :| é.

    beijo <3

  • Reply Leticia 30 de agosto de 2015 at 5:39 AM

    não consegui entender. Calma. Estamos falando do mesmo Ian? plmdds esse cara pra mim é o cara mais gato que já existiu.

    Também acho milkshake superestimado e nunca tomo um porque eu quero. Sem contar que é tão doce que dói a garganta.

    E spoiler acaba com o meu dia :( não suporto saber final de histórias, na verdade qualquer detalhe que me contam eu já fico emburrada hahaha

    (nossa, comentei tudo fora de ordem)

  • Reply BA MORETTI 6 de setembro de 2015 at 3:22 AM

    não sabia dessa mania de milkshake com burguer. achava que era coisa de uma pessoa ou outra e já não via sentido nenhum. sempre fiquei pensando na tristeza de se embuchar com o milkshake e não conseguir terminar o burguer. bate uma aflição.

  • Leave a Reply